13 Dezembro 2005

A verdadeira história da galinha dos ovos de ouro

Era uma vez uma galinha muito pobrezinha que vivia com um coelhinho num castelo. O dono do castelo e da galinha e do coelhinho era um senhor muito grande e muito feio que trabalhava numa fábrica de tintas de esmalte, estão a ver? Ao fim do dia, quando chegava do trabalho, o senhor muito grande e muito feio queria sempre que o castelo estivesse arrumado e limpo e que a galinha e o coelhinho estivessem ali para o servir. E eles estavam. Um dia, andava a galinha nas suas tarefas habituais quando pensou “Vou limpar o laboratório do senhor muito grande e muito feio”. O laboratório do senhor muito grande e muito feio era um laboratório. Era ali que o senhor muito grande e muito feio se dedicava a fazer as suas experiências com tintas de esmalte. Bem, a galinha entrou no laboratório e viu muitos frascos e muitas caixas e outras coisas assim, e resolveu coscuvilhar. Coscuvilhar é uma coisa que todas as galinhas sabem fazer muito bem. A meio da coscuvilhice a galinha encontrou um frasquinho de tinta de esmalte dourada. Já percebem agora o que é que aconteceu? Viu o frasquinho de tinta dourada, pôs um ovo, arrancou uma pena, e pintou o ovo com a tinta dourada. O ovo ficou muito bonito, claro, e a galinha foi logo mostrá-lo ao coelhinho “Coelhinho” disse a galinha “olha que lindo ovo que eu fiz”. O coelhinho bateu palmas e disse “Oh! É muito lindo! Vamos pô-lo a enfeitar a sala”. E pôs o ovo em cima do aparador da sala de jantar. Quando o senhor muito grande e muito feio chegou ao castelo e entrou na sala, viu aquele ovo muito bonito e dourado e disse “Olha um ovo de ouro!”. Ficou muito contente porque naquela altura achava mesmo que era um ovo de ouro. Então perguntou “Quem é que pôs este ovo?” porque era um bocado ignorante. E a galinha disse “Fui eu. ”. E o coelhinho disse “Fui eu”. O homem muito grande e muito feio não percebeu nada mas, como estava cheio de fome nem pensou mais no caso e fez uma omolete. A galinha ficou toda contente por não ter de fazer o jantar, e no dia seguinte tornou a ir ao laboratório e a pintar outro ovo. Desta vez o coelhinho pôs o ovo a enfeitar debaixo da cama do senhor muito grande e muito feio, e o senhor muito grande e muito feio teve um bocado de trabalho para o encontrar, mas pronto, lá o encontrou e tornou a fazer uma omolete. Isto continuou assim durante dias e dias, a galinha a pintar ovos, o coelhinho a enfeitar lugares, e o senhor muito grande e muito feio a fazer omoletes Um dia, ia a galinha para pintar outro ovo quando viu que se tinha acabado a tinta dourada. “Não faz mal”, pensou a galinha, “vou pintar um ovo azul com estrelinhas amarelas”. E pintou um ovo de azul com estrelinhas amarelas, porque esta galinha era uma verdadeira artista. Quando o senhor muito grande e muito feio chegou a casa e viu um ovo azul com estrelinhas amarelas em vez de um ovo de ouro, ficou tão furioso que quis logo matar a galinha. Já tinha a faca na mão e tudo...

Agora aqui é um parentes: vou ter que escrever três finais para esta coisa porque já não me lembro do que vem a seguir. Quando chegar a altura é só riscar os que não interessam...

Já tinha a faca na mão e tudo quando de repente sentiu uma dor aguda e morreu sem mais nem menos, com uma crise de fígado por ter comido tantas omoletes. A galinha assustou-se e começou a gritar Quem me dera ter sete pés!, Quem me dera ter sete pés!. Mas não tinha, por isso fugiu dali só a duas patas. Quem teve sorte foi o coelhinho, que ficou com o castelo só para ele. Ainda por cima encontrou um dia uma linda menina chamada cinderela e logo se apaixonaram. A linda menina também sabia pôr ovos, por isso o coelhinho aprendeu a pintar e dedicou-se a esconder ovos pintados durante o resto da vida. Acabou bem, o coelhinho. A galinha também acabou bem porque depois de algumas voltas foi parar a casa da avozinha e a avozinha ficou muito contente. Tratou da galinha com muito cuidado e fez uma grande festa. Acabou mesmo bem, a galinha. Em canja, porque a avozinha sabia que muitos ovos fazem mal ao fígado.

Já tinha a faca na mão e tudo quando de repente o coelhinho fez atcim! e plim!, transformou a galinha numa deslumbrante princesa. O coelhinho disse foi sem querer foi sem querer, mas nem o senhor muito grande e muito feio nem a deslumbrante princesa se importaram, porque viram logo que estavam apaixonados. Quem és tu deslumbrante princesa? perguntou o senhor muito grande e muito feio. Sou a bela, disse a deslumbrante princesa, e tu? sou o monstro, disse o senhor muito grande e muito feio. Foi uma sorte. Casaram e foram muito felizes. A princesa continuou a pôr ovos muito bons, e o senhor muito grande e muito feio continuou a comer omoletes até rebentar o fígado. Mesmo assim tiveram trinta filhinhos, todos lindos. O coelhinho foi padrinho de 23.

Já tinha a faca na mão e tudo quando a galinha disse “Olha lá, Senhor muito grande e muito mau, já alguma vez tinhas visto um ovo azul com estrelinha amarelas?” “Não” disse o senhor muito grande e muito mau “Então a minha ideia é esta” disse a galinha “Vais enriquecer num instante com ovos de páscoa. Eu ponho ovos e pinto-os como me apetecer, o coelhinho esconde-os onde lhe apetecer, e tu vendes bilhetes às pessoas que queiram procurar ovos mágicos.” E assim foi: o senhor muito grande e muito mau começou a dizer a toda a gente que havia ovos mágicos na zona do castelo dele e, como toda a gente gosta de ovos mágicos, fiou rico num instante. A galinha casou com o coelhinho mas fugiu passado um mês com o príncipe com orelhas de burro. Estas coisas são mesmo assim.

5 Comments:

At 14 Dezembro, 2005 10:10, Blogger Mendes Ferreira said...

bom dia....mas muito se escreve p aqui....talentos que não são preguiçosos....um beijo Lia....adoro ler-te.

 
At 14 Dezembro, 2005 17:23, Blogger legivel said...

Já tinha a faca na mão quando se lembrou «...mas esqueci-me que tinha de comprar queijo e manteiga!». Assim, pousou a faca foi num pé e veio noutro, do supermercado, com o queijo e a manteiga. Pegou novamente na faca quando se lembrou «...mas esqueci-me de comprar o pão!». Pousou a faca, foi num pé e veio no outro, da padaria com o pão. Pegou novamente na faca, abriu cuidadosamente o pão, barrou-o meticulosamente com manteiga, cortou duas belas fatias de queijo, meteu-as no pão e...

Já tinha a "faca e o queijo na mão" quando se lembrou que não tinha dentes; as galinhas quando se metem nestes trabalhos, têm de pensar maduramente no que fazem...

 
At 14 Dezembro, 2005 23:03, Blogger Lia C said...

Não entendo porque é que gostas de me ler mas fico bem contente, MF... beijos muitos para ti também.

E, Legível, bem podias dar uma ajudinha a desempenar as outras tru stóris! Não queres continuar?

Bjs

 
At 30 Março, 2009 23:44, Blogger xp said...

amei sua história obrigada

 
At 30 Março, 2009 23:45, Blogger xp said...

amei sua história

 

Enviar um comentário

<< Home